21/07/2022 às 15h58min - Atualizada em 22/07/2022 às 00h00min

Compósitos aumentam a resistência das telhas contra a corrosão

Empresa catarinense desenvolveu uma telha cuja vida útil estimada é de dez anos

DINO
http://www.planefibra.com.br


De acordo com estimativas de cientistas canadenses, a corrosão foi responsável por prejuízos em todo o mundo da ordem de US$ 2,5 trilhões em 2021. Além da corrosão marítima, muitas operações industriais emitem gases que acabam danificando diversos tipos de estruturas metálicas. Em relação às telhas, porém, existe uma solução que não só resolve o problema, como oferece vantagens adicionais, caso do melhor controle da temperatura do ambiente. São as telhas de compósitos, um material que combina polímeros e fibras de vidro.

"Ainda que sejam usados no exterior em aplicações bastante sofisticadas, como peças de ônibus espaciais, trens e veículos de luxo, no Brasil os materiais compósitos são associados a produtos de qualidade duvidosa. No entanto, se fabricados de acordo com as normas técnicas, oferecem muito mais benefícios que o metal ou a madeira, e isso ocorre claramente com as telhas", comenta Cyrus Muchalski, gerente geral da Planefibra, empresa catarinense especializada em soluções para iluminação e ventilação.

Ciente do comportamento dos compósitos - leves e extremamente robustos, podem inclusive ser formulados com resinas resistentes à propagação de chamas -, a Planefibra decidiu investir na produção de telhas opacas para ambientes corrosivos, depois de se consolidar no mercado como fornecedora de telhas translúcidas feitas com o mesmo material.

"Uma das principais características dos compósitos é a resistência à corrosão, tanto é assim que cascos de embarcações e tanques de produtos químicos são feitos com essa combinação entre polímeros e fibras. Então, decidimos incluir todo esse diferencial em um produto que já fabricávamos, mas até então com foco apenas em cobertura associada ao ganho de luminosidade", explica o gerente geral da Planefibra.

Depois de uma série de testes feitos no laboratório da Planefibra e em campo, alguns com a participação do Laboratório de Eficiência Energética em Edificações (LabLEE), da Universidade Federal de Santa Catarina (USFC), a empresa passou a fabricar telhas opacas para aplicações industriais, a exemplo de fábricas de fertilizantes, galpões que armazenam produtos químicos e instalações portuárias.

"Nossos concorrentes diretos são as telhas de aço galvalume e fibrocimento. Além de conseguirmos desenvolver produtos bem mais leves, na cor e na medida que o cliente quiser, as telhas de compósitos têm uma vida útil até cinco vezes superior, o que dá muito mais segurança não só às construtoras, mas também aos operadores dos galpões", afirma Muchalski.

Fabricante de fertilizantes, a Yara Brasil foi a primeira cliente das telhas opacas da Planefibra - instalou 9.877 m² do produto em seus galpões, em substituição às telhas de fibrocimento. "Na sequência, fornecemos para o Terminal Portuário de Salaverry, no Peru".

As telhas opacas da Planefibra também já foram instaladas em granjas e pocilgas distribuídas por todo o país - os gases produzidos pelas fezes dos animais exigiam a troca das telhas metálicas com frequência.



Website: http://www.planefibra.com.br
Link
Notícias Relacionadas »
Fale pelo Whatsapp
Atendimento
Precisa de ajuda? fale conosco pelo Whatsapp