CIDADE NO AR Publicidade 728x90
28/04/2023 às 16h16min - Atualizada em 01/05/2023 às 00h02min

Inovação tecnológica é chave para agilizar financiamento de veículos

Acrefi realiza painel para debater perspectivas e tendências do setor de veículos na concessão de créditos, formalização de lojas de revendas e a ineficiência no processo de apreensão de crédito

SALA DA NOTÍCIA Assessoria de imprensa

Apesar dos grandes avanços tecnológicos direcionados para o setor financeiro, ainda existem alguns fatores acerca do financiamento de veículos que precisam ser levados em consideração, por exemplo: como tornar a contratação do financiamento de carro descomplicada e segura para o cliente? Ou como diminuir a hipótese de perda da instituição financeira? Com o intuito de entender mais sobre esse cenário e sobre as tendências e transformações da concessão de crédito no setor automotivo, a Associação Nacional das Instituições de Crédito, Financiamento e Investimento (Acrefi), realizou um evento para debater sobre o "Panorama do Mercado de Veículos 2023”. 

 

O painel reuniu diversos especialistas do setor, e abordou a importância da tecnologia na jornada e experiência do cliente durante a concessão de crédito para veículos, sobre os desafios acerca da recuperação do bem por causa da inadimplência e a importância do registro nacional de veículos para a formalização do setor de revendas e para evitar fraudes e golpes. 

 

João Carita Junior, vice-presidente da Acrefi e Sócio-Diretor da SF3 Financeira, abriu o evento parabenizando os convidados e palestrantes do painel. “É uma alegria participar de mais um evento presencial e tão relevante para o setor de crédito. É uma honra contar com profissionais com um profundo conhecimento do tema, para debater o momento atual do crédito veículos”, agradeceu o vice-presidente da Acrefi. 

 

Jamil Ganan, Superintendente Executivo de Negócios e Produtos de Varejo do banco BV, comentou sobre a importância e os desafios das instituições financeiras de inovar tecnologicamente para manter a agilidade e segurança no financiamento de crédito para veículos.  

 

“É que cada vez mais o nosso entendimento é estar presente desde o momento de pesquisa do cliente para comprar um carro e ao longo da vida e de possíveis compras de outro carro. Então isso envolve o uso e a manutenção de todo um ecossistema tecnológico que permeia todo esse histórico, o open finance, ferramenta fundamental para uma organização e curadoria dos dados no momento de concessão de crédito”, declara Ganan.

 

Ele ainda explicou sobre os testes de psicometria como uma alternativa de mensurar o risco de financiamento. “Basicamente a psicometria é uma tentativa de fazer uma qualificação, e de colocar em modelos numéricos as respostas ligadas a psicologia para questionar sobre as preferências e capacidade de pagamento do cliente. Toda essa inteligência, que é essencial, vem cada vez mais nos capacitando a conceder crédito com qualidade, porque a gente quer conceder crédito, mas conceder tendo portfólio saudável, porque isso que move o mercado. O desafio para nós e para todos os bancos, é entender aquilo que está acontecendo no mercado”, declara o Superintendente do banco BV.

Mayara Arci Rezeck, Commercial Strategy Superintendente do Itaú Unibanco, ressaltou que a barreira inicial da fase 3 do Open Finance é a falta de conhecimento e entendimento, porque é um dado muito sensível. Porém, apesar dos desafios existem três pilares principais que ajudam na expansão e na comparação de propostas de crédito, e relação de cliente e instituição financeira.

 

“O open finance traz benefícios claros em três pilares. Primeiro para o mercado de crédito, que é um mercado de margens apertadas e com altos custos de retomada, mas quanto mais certeira foi essa proposta há um potencial de barateamento natural e de expansão de concessão de crédito. O segundo benefício é a hiperpersonalização, dando ao cliente o poder de comparabilidade entre as propostas. E o terceiro pilar, está acerca dos novos canais de comunicação, pois a tendência é que a interação seja muito mais fluida e digital entre cliente e instituição. O desafio está em se preparar em relação à experiência do cliente, porque ele vai ficar mais exigente e ter mais poder de comparação ,“ afirma Mayara. 

 

O presidente da Federação Nacional das Associações dos Revendedores de Veículos Automotores (FENAUTO), Enilson Sales, ressaltou a dificuldade e a importância de regularizar a obrigatoriedade do Registro Nacional de Veículos em Estoque (RENAVE) para o mercado de seminovos e usados no Brasil. Para ele, essa prática ajudará a padronizar o trabalho das revendas, além de expandir o portfólio de compras de clientes. 

 

“O mercado, principalmente o mercado de multimarcas, depende fundamentalmente do crédito, e quando o crédito fica restrito, por qualquer problema seja inadimplência ou não recuperar o bem, ou ficar restritos só aos veículos novos, afeta ainda mais o setor de revendas. É importante frisar que o RENAVE surgiu de uma necessidade de trazer mais crédito para as lojas de seminovos e usados. Contudo, no cenário atual, a gente encontra dificuldades em regularizá-lo nos estados”, explica Sales.  

 

Sales lembra que atualmente o registro de veículos novos está em todos os estados do Brasil, mas o RENAVE de seminovos e usados está restrito a apenas 7 estados por causa das normas regionais. “O seminovo deve girar do mesmo jeito que o novo, por isso tem que fazer o registro. Entre todos os benefícios, o principal é o da formalização na categoria, além de trazer mais segurança para oferecer crédito, porque diminui o risco de fraudes e golpes”, ressalta o presidente da FENAUTO. 

 

Já pensando no pós-compra, Cezar Janikian, Head de Financeiras e Coligadas Auto do Santander comentou sobre o projeto de lei PL 4.188/21, do Marco Legal das Garantias, que prevê a possibilidade de busca e apreensão extrajudicial em caso de inadimplência. E também, ressaltou sobre a ineficiência do processo de apreensão de crédito. Para Janikian, a melhor forma de melhorar esse processo é definindo um arcabouço judicial e a instalação de um rastreador no veículo. 

 

“Regular a questão do rastreador no veículo é uma ferramenta super importante para agilizar a questão da retomada. Essa ainda é uma prática piloto, mas nos poucos rastreadores que testamos já se nota que com um equipamento instalado o processo de retomada performa muito bem. Mas eu acho que a questão é um pouco mais ampla, não é só no rastreador, mas desde provocar as instituições a olhar mais a questão do ecossistema como um todo, de como a gente regula melhor e para facilitar esse processo”, explica Janikian. 

 

Wilson Diniz, Superintendente Executivo de Veículos do Banco Pan, abordou sobre os cenários de perda, seja por motivos de inadimplência ou de fraude, pela ótica de uma instituição financeira. “Na tomada de decisões para redução de perda dentro de qualquer instituição é necessário analisar e refinar os dados, é um processo bem demorado, mas fundamental. Em relação a fraude, é importante se blindar com práticas e dispositivos para evitar golpes, e claro, sempre conscientizar o cliente de que não existe duende, no caso de um carro vendido mais barato do que previsto pelo mercado”, ressalta o superintendente executivo. 

 

Já sobre o tema da apreensão do bem, para ele essa é uma pauta que precisa de evolução. “A tecnologia trouxe velocidade, trouxe uma jornada mais fácil, simples e rápida, mas em relação à recuperação e a retomada, isso não evoluiu e continua do mesmo jeito. E isso precisa evoluir para que de fato consiga dar um crédito mais seguro e um serviço completo. Ainda assim, até lá, tem que ser criativo, e se cercar de dispositivos tecnológicos no mercado para tentar ser o mais assertivo possível”, finalizou Wilson Diniz

 

O evento contou com a medição de Cintia M. Ramos Falcão, Consultora Jurídica da ACREFI.


Link
Notícias Relacionadas »
Fale pelo Whatsapp
Atendimento
Precisa de ajuda? fale conosco pelo Whatsapp