07/10/2020 às 15h14min - Atualizada em 07/10/2020 às 15h24min

TJ-SP reconhece legalidade da Buser e nega suspensão de viagens

O Tribunal de Justiça de São Paulo negou recurso protocolado pelo Sindicato das Empresas de Transportes de Passageiros do Estado de São Paulo (SETPESP) contra a plataforma de fretamento de viagens de ônibus, Buser. No pedido, o sindicato alegava que a startup atuava de maneira irregular, promovendo transporte clandestino.

DINO
http://www.buser.com.br
Viagens pela Buser custam cerca de 60% menos que no mercado tradicional.


O Tribunal de Justiça de São Paulo negou recurso protocolado pelo Sindicato das Empresas de Transportes de Passageiros do Estado de São Paulo (SETPESP) contra a plataforma de fretamento de viagens de ônibus, Buser. No pedido, o sindicato alegava que a startup atuava de maneira irregular, promovendo transporte clandestino.

A Buser esclareceu que a plataforma realiza a intermediação de serviço de transporte por fretamento privado e que o usuário do serviço, ao acessar a plataforma eletrônica, tem duas opções: criar o seu próprio grupo de viagens ou se juntar a um grupo de viagens existentes, o qual foi criado por algum outro usuário da plataforma.

A defesa da startup também argumentou que o serviço oferecido pela empresa aos interessados é conectar pessoas que pretendem viajar para um destino comum com o fornecedor de transporte privado na modalidade fretamento eventual. As empresas que atuam em parceria com a Buser são devidamente registradas junto aos órgãos de regulação e fiscalização, como por exemplo a Artesp, que autoriza cada empresa vinculada a plataforma a realizar as viagens contratadas.

Para a Buser, a sua participação no mercado não provoca qualquer desequilíbrio, concorrência desleal ou distúrbio à ordem econômica, mas o contrário.

Diante dos argumentos da defesa, o desembargador J.B Franco de Godoi, da 23ª Câmara de Direito Privado do TJ-SP, negou provimento ao recurso, mantendo a permissão para a livre atuação da Buser no Estado de São Paulo.

A decisão foi celebrada pela startup que registrou aumento significativo no número de passageiros em setembro, mesmo durante a pandemia. "Essa foi uma decisão importante para nós, mas principalmente para os usuários que poderão seguir viajando com segurança, conforto e pagando preços até 70% mais baixos do que os praticados pelas empresas tradicionais", afirmou Marcelo Abritta, CEO da Buser.

Abritta projeta também que a empresa cresça pelo menos três vezes mais na alta temporada de 2020 em comparação com o ano anterior. "A alta procura nos demonstra que há uma clara recuperação no mercado de viagens, seja por motivos profissionais ou até mesmo turismo. A demanda reprimida sinaliza que o turismo será forte em todas as regiões que não tiverem restrições com a pandemia", destaca Abritta.




Website: http://www.buser.com.br
Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Fale pelo Whatsapp
Atendimento
Precisa de ajuda? fale conosco pelo Whatsapp