18/01/2023 às 11h28min - Atualizada em 19/01/2023 às 00h04min

Linhas de passageiros paradas por problemas em trens de carga. Problema antigo e bem conhecido

Por José Claudinei Messias, presidente do Sindicato dos Trabalhadores Ferroviários da Zona Sorocabana

SALA DA NOTÍCIA Fernanda de Souza Martins

Aconteceu de novo e certamente vai acontecer mais vezes em futuro próximo. Mais uma vez, quem pagou pela falta de estrutura das ferrovias do Estado de São Paulo foi a população – o que não é novidade, infelizmente.

Um trem de carga da MRS Logística descarrilou próximo à estação Tatuapé e, como consequência, três linhas de passageiros (11-Coral, 12-Safira e 13-Expresso Aeroporto) tiveram seu serviço interrompido parcial ou totalmente.
O acidente aconteceu na madrugada do sábado, 3 de dezembro, mas os reflexos se prolongaram, sem previsão de acabar. Enquanto o problema era resolvido, lentamente, os usuários sofreram. Milhares de pessoas ficaram sem um serviço essencial por causa de uma velha conhecida dos administradores das linhas de carga e de passageiros: a precariedade da infraestrutura.

Existem vários projetos para a separação das linhas – uma para transporte de carga e outra para passageiros. No entanto, os estudos nunca saíram do papel e os problemas estão aí. Esse não foi o primeiro nem será o último acidente com trens de carga numa via adequada para atender trens de passageiros, que são mais leves e com desempenho diferente dos pesados vagões da MRS.
Já avisamos várias vezes que esse problema pode se tornar ainda mais intenso. Sim, pode acontecer acidente realmente grave, envolvendo vidas. Mas, aparentemente as autoridades não parecem estar preocupadas com isso. Afinal de contas, o que realmente vale é o lucro e não a vida dos ferroviários que se arriscam para manter seus empregos e da população em geral, que precisa do transporte ferroviário.

Vamos combinar que não era preciso esperar acontecer mais um acidente para o poder público tomar providências. Isso é assunto antigo e já devia ter sido resolvido. Mas, para quem importa separar as vias? Para os ferroviários, com certeza, pois teriam mais segurança para trabalhar e para a população, que não sofreria com o serviço interrompido.

Enquanto o transporte público de passageiros na região metropolitana não for tratado como Política Pública de Transporte e a geração de receita para o Estado falar mais alto que a segurança e a qualidade dos serviços, há risco de novos acidentes. Enquanto nenhuma providência é tomada, só nos resta ficar na torcida para não ter vidas perdidas.

 


Link
Notícias Relacionadas »
Fale pelo Whatsapp
Atendimento
Precisa de ajuda? fale conosco pelo Whatsapp