28/01/2022 às 17h59min - Atualizada em 30/01/2022 às 00h00min

Vazamento de dados: problema que coloca o Brasil em 6º lugar no ranking mundial. Saiba como proteger sua empresa

Solução para armazenamento e gestão de dados é alternativa confiável para proteger as empresas dos ataques cibernéticos

SALA DA NOTÍCIA Natália Peixoto
 

O Brasil foi o 5º país que mais sofreu crimes cibernéticos em 2021, de acordo com a consultoria alemã Roland Berger. Em relação a vazamento de dados, a empresa holandesa Surfshark aponta que o Brasil foi o 6º país mais atingido por esse tipo de ocorrência. Algumas delas tiveram grande repercussão, como o vazamento de dados pessoais em janeiro de 2021, que expôs informações de mais de 200 milhões de brasileiros, inclusive de falecidos, e a invasão de um site nacional no mês de setembro, quando foram expostos mais de 400 milhões de dados pessoais, inclusive a renda de pessoas físicas, além de 109 milhões de CNPJs e placas de veículos, segundo a empresa de segurança digital PSafe. Com esse tipo de dado, criminosos podem tentar diversos golpes e fraudes digitais.

“Os dados mantidos por uma empresa são um patrimônio valioso, mas, por outro lado, podem gerar prejuízos milionários quando se tornam vulneráveis. Ainda assim, é comum empresas encararem a cibersegurança como um custo, quando na verdade ela deve ser vista como um investimento e uma prevenção, especialmente após a Lei Geral de Proteção de Dados e no pós pandemia, com o crescimento do trabalho remoto. Pessoas que não tinham tanta intimidade com o mundo digital, de uma hora para outra, tiveram que se adaptar a esse novo formato e ainda usando redes domésticas, que expõem as informações a outros tipos de fragilidade”, explica Ricardo Kudla, CEO da Colaborativa, empresa que criou uma interface multiplataforma, para integrar todas as informações de uma corporação em um ambiente semelhante a uma rede social, facilitando a navegação dos usuários e garantindo a segurança de dados.

O que pode ser evitado é a comunicação pós ataque.

Kudla destaca que a maioria das ocorrências não tem prazo para acontecer, mas o processo mais vulnerável é não saber o que está acontecendo, ou seja, num ataque todos só querem levantar os serviços, mas os usuários não têm acesso a qualquer tipo de informação. Ninguém vai consultar um site para saber se um sistema está fora do ar. Outro grande problema que traz fragilidade, segundo o executivo, é que a maioria das empresas centraliza suas informações no mesmo parque tecnológico, ou seja, isso não é redundância. 

“No caso de um sequestro de dados, a ocorrência tem um dano muito maior, justamente por causa dessa centralização de informações em um ambiente virtual único”.

Pensando nesse aspecto da segurança, a solução da Colaborativa não mantém os dados dos clientes em um único espaço virtual. “Usamos diversos servidores em nuvem, além de protocolos de segurança envolvendo criptografia e tecnologias como blockchain. Com isso, oferecemos proteção para nossos clientes, além das outras funcionalidades que nossa interface disponibiliza e que proporcionam uma gestão estratégica e integrada de dados“, ressalta o CEO.

Construção de conhecimento corporativo

A interface da Colaborativa facilita o controle sobre o comportamento dos usuários e assim diminui a fragilidade dos processos. Além disso, integra os canais de comunicação e de capacitação das empresas. O objetivo final é construir conhecimento corporativo, já que o acesso à base de dados se torna mais fácil e intuitivo, pois se parece com uma rede social. Junto à construção do conhecimento, a solução melhora a comunicação interna e proporciona um gerenciamento estratégico de dados, gerando insights para o negócio.

“Diferente das outras ferramentas do mercado, a Colaborativa é totalmente focada na construção do conhecimento, sem abdicar do aspecto da segurança da informação. E quando pensamos nessa construção, pensamos em pessoas. Nós ouvimos gente, ouvimos as pontas e consideramos elas no desenvolvimento das soluções, além de pensar nos aspectos desejados do ponto de vista dos negócios. Por isso, nossa interface foi pensada para oferecer uma navegação fácil e intuitiva e prevê módulos que otimizam reciclagens e facilitam consultas e pesquisas junto aos colaboradores, para apoiar a tomada de decisões dos gestores”, conta Kudla. 

Sobre a Colaborativa:

A Colaborativa é uma ferramenta de comunicação interna e base de conhecimento com inteligência artificial, multiplataforma, em formato de rede social, que aprende por meio da interação dos usuários com os conteúdos através do seu machine learning, desenvolvendo assim, um novo modelo para acelerar o processo da informação e do saber. auxiliar as empresas nos processos de comunicação interna e otimizar o dia a dia dos funcionários.


 
Link
Notícias Relacionadas »
Fale pelo Whatsapp
Atendimento
Precisa de ajuda? fale conosco pelo Whatsapp