CIDADE NO AR Publicidade 728x90
20/12/2022 às 15h47min - Atualizada em 21/12/2022 às 00h08min

Carros automáticos: É preciso trocar o óleo lubrificante da transmissão?

Mais de 50% dos carros emplacados no país já possuem transmissão automática

SALA DA NOTÍCIA Matheus Correa
Divulgação

Quando o assunto é conforto na hora de dirigir, logo vem à cabeça o câmbio automático. Sem ter que fazer esforço manual para mudar a marcha, os câmbios automáticos facilitam a vida do motorista. Segundo um levantamento feito pela Bright Consulting, empresa especializada no segmento automotivo, até o final desta década, 90% da frota brasileira será de carros automáticos; no ano passado, mais de 50% dos carros emplacados foram com algum tipo de transmissão automática.

Dentre as opções do mercado, três segmentos são mais produzidos no país: Automáticos, Automatizados e CVT. O câmbio automático é composto por um mecanismo de engrenagens diferentes, do tipo planetárias. Os automatizados têm uma caixa acoplada a uma embreagem, se tornando assim um projeto similar ao do sistema manual. A tecnologia CVT possui duas polias de diâmetro variável, ligadas por uma corrente, possuindo também um conversor de torque.

Todo sistema de transmissão possui sua lubrificação específica, seja ele manual ou automático. Sempre haverá a dúvida “é necessário a troca do óleo?”, a resposta para a questão é determinada para a montadora que desenvolveu e montou o câmbio do veículo.

Para Pablo Bueno, engenheiro mecânico da YPF Brasil, a resposta da necessidade de troca está no manual do proprietário. “A resposta se há necessidade de troca do lubrificante está inserida no manual de fábrica do veículo. A montadora detalha o óleo e sua durabilidade dentro do sistema de transmissão”, comenta.

Quando trocar?

A substituição deverá ser realizada caso haja apontamento no manual do condutor, estando descritos limite de quilometragem e quantidade necessária para lubrificar o sistema; ou caso aconteça alguma intercorrência específica com o câmbio.

Nos casos de troca, o óleo de transmissão automática também sofre com desgaste dos componentes, provocando contaminação. O lubrificante também sofre com variação de temperatura e pressão, sendo os pilares da substituição. Caso a troca prevista não ocorra, um desgaste excessivo será visto, gerando saturação dos filtros de transmissão, má lubrificação, ruídos e  dificuldades nas trocas de marcha.

Quais os componentes de um óleo lubrificante para câmbio automático?

Os lubrificantes de sistema de transmissão são divididos em bases minerais, sintéticas e semissintéticas. Em linha com as especificidades, a YPF Brasil desenvolveu a linha Hidro ATF que atende diferentes tipos de transmissões com níveis de desempenho para cada tipo de aplicação.

“Cada câmbio é desenvolvido e montado de uma forma diferente, por exemplo o CVT, essa tecnologia precisa de aditivação diferentes do que um óleo para transmissões automáticas convencionais. Nossos lubrificantes são compatíveis com as principais especificações do mercado de transmissões automáticas, como por exemplo: GM Dexron, Ford Mercon, Honda HCF-2 e Toyota CVTF”, finaliza Bueno.

 

Sobre a YPF

A YPF transforma vidas através de energia, uma das maiores empresas produtoras de petróleo e gás da América Latina, sendo a maior empresa Argentina em termos de receita, com quase 100 anos de história e 20.000 colaboradores. Lidera com 54% de market share em lubrificantes no mercado local e soma mais de 1600 postos de combustíveis.

Atua no Brasil desde 1998, possui sede e fábrica em Diadema-SP, e tem em seu portfólio uma linha completa de lubrificantes para automóveis sob a marca ELAION, veículos pesados e agrícolas sob a marca EXTRAVIDA, além de graxas e fluidos funcionais. Através de seus distribuidores e revendedores, a YPF tem distribuição em todo país.Visite o site www.ypf.com.br e conheça as redes sociais para saber mais sobre a história e a linha de produtos.


Link
Notícias Relacionadas »
Fale pelo Whatsapp
Atendimento
Precisa de ajuda? fale conosco pelo Whatsapp